Para o tema do software livre e pirataria

Hacktivismo
Resumo da Internet.br, por Renato Cardoso
“Hackers não preocupados em derrubar sistemas pela diversão, mas focados em questões políticas e sociais”
No dia 30/12/98, um grupo de hackers chamado The Legion of the Urderground (LoU, em http://www.legions.org) declarou guerra à República da China e ao Iraque em uma conferência on line. Era mais um passo do hacktivismo (hackers focados em questões políticas e sociais). O assunto foi divulgado nos sites especializados no assunto e em jornais como o New York Times.

De imediato, o Cult of the Dead Cow (cDc, www,cultdeadcow.com) e outros cinco grupos de hackers fizeram a questão de divulgar à imprensa uma mensagem repreendendo a ação do LoU. “Hacktivismo usar talentos e ferramentas de hackers para a defesa de causas, pode ser uma maneira legítima de trazer a atenção do público; declarar guerra a qualquer pessoa, grupo ou nação é deplorável, apenas reduz o hacker ao mesmo nível daqueles que está atacando, não é hackitvismo, não segue a ética hacker e não é motivo de orgulho”, dizia o texto.

Os membros do LoU negaram a mensagem e atribuíram as declarações a impostores. O Hacktivismo, na verdade, surgiu em 1997. Foi quando o cDc anunciou que trabalhararia com os Hong Kong Blondes na luta contra a repressão em Pequim. Os Blondes, fundados por Blondie Wong, um cientista chinês dissidente órfão de pai, assassinado pela Guarda Vermelha, anunciou que tinha interrompido as comunicações de um dos principais satélites de comunicação do seu país.

O cDc, dirigido pelo canadense Oxblood Ruffin, é responsável pelo Back Orifice, que receberá uma nova versão, mais atualizada em julho. O grupo também prometeu distribuir, gratuitamente, um plugin, capaz de permitir que qualquer chinês drible os sistemas de segurança e navegue livremente na Internet.

A causa política de Ruffin e Wong foi abraçada pela comunidade hacker. Em setembro, um grupo de hackers, às vésperas das eleições suecas, quebrou o site do partido direitista Moderat (www.moderat.se) e incluiu links para o Partido Comunista e sitse pronográficos. No México, o site do presidente Ernesto Zedillo foi violado e a página principal, substituída por um protesto pelo mau tratamento dos índios Chiapas. Em Portugal, outro grupo está armado até os dentes pela causa de liberdade do Timor Leste.

“O futuro de qualquer ativista político está na Grande Rede”, declarou Stanton McCandish, diretor da Eletric Frontier Foundation (www.eff.org), que há três anos moveu a campanha do laço azul pela liberdade de expressão na Internet. Segundo Ruffin, os membros do cDc hoje estão mais politizados e muito mais capazes tecnicamente.

Os Hong Kong Blondes encerraram suas atividades em fevereiro e Wong mudou-se do Canadá para Índia, perdendo o contato com o cDc. Apesar disso, a cada dia mais hackers entram no jogo, e o movimento hacktivista ficou tão forte, que um novo site está para ir ao ar, http://www.hacktivistm.org.

Detalhe: Oxblood Ruffin foi consultor político da ONU, fundador do hacktivismo e do cDc. Em uma de suas últimas entrevistas, revelou que os hackers passaram a se preocupar com questões políticas e sociais, questões universais e dos direitos humanos, que tem como ídolo Ghandhi, etc… .

Renato Cardoso é Analista de Segurança da Módulo Security Solutions S.A.

Retirado de http://www.modulo.com.br/noticia/a-hackti.htm

http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/index.php/buscalegis/article/viewFile/29385/28941

__________

Hacktivismo: Hackers y Redes Sociales

Gustavo Roig Domínguez.

Desde hace una década presenciamos un proceso de acercamiento entre redes de activistas anticapitalistas y redes de jóvenes apasionados por la tecnología, Internet y cultura libre. Esta confluencia ha cristalizado en los últimos años, dentro del ciclo de protesta protagonizado por el movimiento antiglobalización, en la emergencia del hacktivismo, los hacklabs y comunidades de jóvenes que combinan sus habilidades técnicas y sus aspiraciones políticas de cambio social. Este artículo analiza su origen, algunos de sus referentes literarios, sus discursos y su práctica.
Palabras clave: ciberespacio, hackers, hacktivismo, GNU/Linux, software
libre, redes, cooperación.

http://www.injuve.mtas.es/injuve/contenidos.downloadatt.action?id=654140991
______________

Livro em pdf sobre hacktivismo:
http://www.miescuelayelmundo.org/IMG/pdf/hacktivismo.pdf

JOVENES, HACKTIVISMO Y SOCIEDAD DE LA INFORMACIONmiescuelayelmundo.org [PDF]

Este trabajo es Copyleft 2006 de Juan Carlos Aceros Gualdrón, mediante licencia Creative Commons Atribución-CompartirIgual 2.5. Eres LIBRE de copiar, distribuir, poner a disposición, ejecutar y modificar esta obra siempre y cuando respetes la autoría e incluyas esta misma nota. …

____________

El Software Libre como herramienta del hacktivismo contra el cibercontrol social
Pablo Garaizar Sagarminaga
Universidad de Deusto
garaizar@eside.deusto.es
versión 1.0
1 de noviembre de 2004

Resumen
La información es el principal recurso de poder de nuestros días. Sin embargo, su flujo continuo y saturado devalúa gran parte de esa información, y se hace necesario
procesarla automáticamente para filtrarla y asimilarla. Gobiernos y empresas
entendieron esto rápidamente hace tiempo y emplean masivamente la Red para extraer
conocimiento acerca de todo lo que les pueda interesar. Una persona, un consumidor,
repiten las empresas. Una persona, un posible enemigo, replican los gobiernos.
Como reacción a este continuo escrutinio que pone en peligro nuestra intimidad surge la figura del hacktivista, una suma de activista y apasionado de la tecnología (hacker). El hacktivista conoce la Red y el software que la gestiona. Se ha hecho un experto gracias a las posibilidades que le ha brindado el Software Libre, y ha creado multitud de herramientas para detener esa invasión a su privacidad.
En el presente texto veremos en qué consiste el Software Libre, cuáles son esas medidas de control social telemático y qué alternativas propone el movimiento hacktivista, haciendo hincapié en su capacidad de modificación de las nuevas tecnologías en beneficio del cambio social.

http://www.edicionessimbioticas.info/IMG/pdf/ACTIVISMO_Y_SOF_LIBRE.pdf

Debate sobre definição de hacktivismo:

Anúncios

Um pensamento sobre “Para o tema do software livre e pirataria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s