Para o tema do trânsito

Transporte urbano nos países em desenvolvimento: reflexões e propostas Por Eduardo Alcântara de Vasconcellos

disponível no google livros

http://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=rkb-RA72qD8C&oi=fnd&pg=PA89&dq=tr%C3%A2nsito+transporte&ots=guekpSi6Zo&sig=fPTEEX_NNwhDD6n4vTgmqVhP0P0#v=onepage&q=tr%C3%A2nsito%20transporte&f=false

____________

REPENSANDO O ESPAÇO URBANO: O COMPLEXO VIÁRIO ULISSES DE GÓIS E SUAS IMPLICAÇÕES NO SISTEMA DE TRÂNSITO DA ZONA NORTE DE NATAL
Iapony Rodrigues Galvão
Programa de PósGraduação
e Pesquisa em Geografia/ UFRN (PPGe /UFRN)
Prof. Dr. Ademir Araújo da Costa
Departamento de Geografia/ UFRN

O complexo viário Ulisses de Góis localizado na porção Norte da capital potiguar é
composto pela Ponte Ulisses de Góis, mais conhecida como Ponte de Igapó, a qual foi,
durante mais de três décadas, a única ligação entre a porção Norte com o restante da
cidade e pelo Viaduto Ulisses de Góis, concluído em 2002. Com a construção deste
último componente viário, ocorreram profundas dinâmicas no sistema de trânsito não
somente da Zona Norte como o da capital potiguar. Desta forma, a presente pesquisa
visou compreender a influencia do complexo viário nas dinâmicas impostas no sistema
de trânsito e nas próprias configurações urbanas da capital potiguar e as possíveis
melhorias (ou não) trazidas por esta obra viária para a fluência dos veículos
automotores. Assim, através de pesquisas bibliográficas e pesquisas de campo realizado com a aplicação de questionários estruturados a usuários e moradores da área em questão, observou se que, apesar de considerável parcela dos usuários (48%) afirmarem que ocorreu significativa melhoria no trânsito da zona Norte com a construção do Viaduto Ulisses de Góis, uma parcela não menos importante (37%) considera que o impacto da construção do viaduto para a fluidez do trânsito fora insignificante, pois a construção do viaduto não contribuiu para a resolução dos problemas de circulação de veículos. Percebeu se,assim, que se torna necessário dotar a cidade de um planejamento voltado para a sua realidade, objetivando aumentar ainda mais a fluidez do trânsito na capital potiguar, através de medidas como o incremento do transporte de massa, possibilitando ampliar ainda mais a mobilidade urbana e, assim, contribuir na construção de uma cidade mais justa e igualitária para todos os natalenses.
PalavrasChave: Espaço Urbano; Complexo Viário; Trânsito; mobilidade urbana

http://www.cchla.ufrn.br/humanidades/ARTIGOS/GT39/ARTIGO%20COMPLETO%20IAPONY%20GALVAO%20GT%2039.pdf

_________

Título: Placar da vida : uma análise do programa “Paz no trânsito” no Distrito Federal
Autor(es): Rodrigues, Jose Nivaldino
Orientador(es): Costa, Arthur Trindade Maranhão
Palavras-chave: Trânsito urbano
Segurança pública
Comportamento humano – trânsito urbano – Distrito Federal
Data de publicação: 15-Mai-2007
Citação: RODRIGUES, Jose Nivaldino. Placar da vida:uma análise do programa “Paz no trânsito” no Distrito Federal. 2007. 117 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2007.
Resumo: O presente estudo apresenta uma análise do Programa “Paz no Trânsito” lançado pelo Governo do Cristóvam Buarque em 1995 no Distrito Federal, dentro de uma perspectiva de controle social. O “Paz no Trânsito” foi um programa de segurança no trânsito cuja proposta trazia algo diferente nas suas intervenções no trânsito em relação a outros programas da mesma natureza. Interferia não somente na infra-estrutura ou na regulação de veículos, mas no comportamento das pessoas. Composto de três partes, a primeira trata de uma análise do programa sob a perspectiva dos mecanismos de controle social e outros elementos sociológicos fundamentais a partir dos pressupostos do processo civilizador de Norbert Elias e das tecnologias de poder de Michel Foucault, especificamente, considerando as políticas públicas como sendo instrumento de tecnologia de poder. A segunda parte aborda as questões relativas ao trânsito, tais como: a evolução do sistema de trânsito no Brasil – antecedentes e situação atual; sobre o trânsito no Distrito Federal e sobre a contextualização do programa “Paz no Trânsito”. A terceira parte refere-se a uma análise estatística do trânsito no Distrito Federal no período de 1995 a 2005, a partir de dados secundários do Departamento de Trânsito – DETRAN/DF – e do Sistema de Informações sobre Mortalidade – SIM do Ministério da Saúde e, ainda, à análise de entrevistas realizadas com foco nos principais aspectos do programa “Paz no Trânsito”. A metodologia foi pautada no uso de técnicas de pesquisas, tais como: observações livres, análise documental e pesquisa de campo realizada por meio de entrevistas. As observações livres consistiram em anotações realizadas no dia-a-dia no trânsito do Distrito Federal. A análise documental consistiu em reunir documentos, descrever, transcrever eventualmente seu conteúdo, e em efetuar uma primeira ordenação das informações para selecionar as mais pertinentes. Foi realizada pesquisa de campo como validação dos dados levantados e, em função da hipótese de pesquisa, por meio de entrevistas.

Aparece na Coleção: SOL – Mestrado em Sociologia (Dissertações)

http://repositorio.bce.unb.br/handle/10482/2730

____________

CONFLITOS DE TRÂNSITO EM ÁREAS DE PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO: ESCOLAS, CRECHES, UNIDADES DE SAÚDE E AFINS.

Luiza de Resende
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia
Universidade Federal de Uberlândia

William Rodrigues Ferreira
Prof. Dr. do Programa de Pós-Graduação em Geografia
Universidade Federal de Uberlândia.

http://egal2009.easyplanners.info/area05/5314_Luiza_de_RESENDE.doc

_________

Psicol. cienc. prof. v.22 n.3 Brasília set. 2002

Contemporaneidade X trânsito reflexão psicossocial do trabalho dos motoristas de coletivo urbano

Nemésio Dario Vieira De Almeida*

Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco. Departamento de Psicologia

RESUMO

Este é um artigo reflexivo, que tem por objetivo analisar a problemática psicossocial do trabalho dos motoristas de coletivo urbano na Cidade do Recife, os quais procuram, diariamente, nossos serviços no Departamento de Psicologia do DETRAN-PE. Partimos, então, da análise dos seguintes trabalhos realizados anteriormente: Fundação Joaquim Nabuco em Recife, Leny Sato em São Paulo e Ramos no Rio de Janeiro. A análise desses trabalhos aponta como principais estratégias utilizadas pelos motoristas: a racionalização, o individualismo e a passividade. A utilização dessas defesas permite ao trabalhador manter seu equilíbrio psíquico, e, ao mesmo tempo, favorece a alienação das causas do seu sofrimento, dificultando, assim, o processo de mudança das situações de trabalho.

Palavras-chave: Contemporaneidade x trânsito, Psicossocial, Trabalho do motorista, Coletivo urbano.

http://scielo.bvs-psi.org.br/scielo.php?pid=S1414-98932002000300010&script=sci_arttext&tlng=pt

Anúncios

2 pensamentos sobre “Para o tema do trânsito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s