Quanto mais feio, mais propenso ao crime, dizem economistas

Como ficou grande o debate na conversa ao lado, faço um post aqui a partir da sugestão de alguém…

Guest: professora, dê uma olhada nessa matéria e diz o que acha:


Quanto mais feio, mais propenso ao crime, dizem economistas

Patricia Cohen
Fonte: The New York Times
Economia internacional

Pobreza, cobiça, raiva, ciúme, orgulho, vingança. São esses os suspeitos habituais quando o assunto envolve as causas do crime. Nos últimos anos, porém, os economistas começaram a estudar uma explicação diferente para as atividades criminais: os atributos físicos.

Um pequeno grupo de economistas vem estudando de que maneira altura, peso e beleza afetam a probabilidade de cometer – ou ser condenado por – um crime. Observando registros dos séculos 19, 20 e 21, eles identificaram indícios de que os homens mais baixos têm de 20% a 30% mais chance de condenações a prisão, comparados aos mais altos, e que obesidade e atrativos físicos têm vínculos para com o crime.

“A profissão desenvolveu forte interesse pela biologia”, ou o que alguns economistas definem como história ou economia antropométrica, diz Gregory Price, economista do Morehouse College e um dos autores de um estudo que correlaciona altura e crime.

Já existem diversas pesquisas que correlacionam atributos físicos e o mercado de trabalho. Os economistas constataram, por exemplo, que cada centímetro a mais de altura costuma resultar em quase 1% a mais de renda; que os funcionários classificados como bonitos tendem a ganhar 5% a mais do que as pessoas consideradas comuns, enquanto os feios ganham 9% a menos; e que a obesidade pode significar perda de renda para as mulheres brancas.

Para ilustrar um argumento sobre o imposto de renda, Gregory Mankiw, economista da Universidade Harvard e antigo assessor econômico do presidente George W. Bush, propôs cobrar mais imposto às pessoas com altura superior a 1,83 metro, porque elas ganham em média US$ 5.225 a mais por ano do que alguém com 1,66 metro, em cálculo ponderado por sexo, altura e peso.

Vincular traços físicos à criminalidade pode parecer um recuo ao determinismo biológico advogado pelos proponentes do darwinismo social no século 19, segundo os quais existia predisposição genética ao delito. Mas os modernos estudiosos se apressam a descartar essas ideias.

Price, por exemplo, argumenta que o crime pode ser visto, ao menos em parte, como um “mercado de trabalho alternativo”. Se indivíduos com certos atributos físicos sofrem desvantagem na força de trabalho, podem considerar o crime mais atraente, diz.

H. Naci Mocan, economista na Universidade Estadual da Louisiana e autor de um estudo sobre a relação entre crime e beleza física, explicou que as teorias sobre o elo entre peso, altura ou beleza e a força de trabalho emergiram porque “economistas que estudavam determinantes padronizados -educação, experiência, produtividade, capital humano- constataram que estes só podiam explicar parte da variação entre salários”.

“Isso é novo”, disse Mocan, sobre a pesquisa quanto ao crime. “E expande um pouco os nossos horizontes”.

Uma correlação entre atributos físicos e salários, ou crimes, não significa relação causal. Mocan aponta que não sabemos por que uma pessoa obesa, feia ou baixinha está em desvantagem no mercado de trabalho ou é mais propensa a cometer crimes. A causa pode ser discriminação pelo empregador, preferência dos clientes ou o fato de que aquele atributo físico torna o funcionário menos produtivo. Se um trabalho envolve carregar peso, por exemplo, porte físico maior é vantajoso.

É isso que Howard Bodenhorn, economista da Universidade Clemson, e Price concluíram analisando registros penitenciários do século 19. Naquela era, maior peso estava associado a menor risco de crime. No século 21, porém, uma era em que trabalho no setor de serviços é muito mais comum, Price constatou que o excesso de peso estava vinculado a um maior risco de crime.

Mocan e Erdal Telkin, economista da Universidade Estadual da Geórgia, analisaram dados de uma pesquisa nacional sobre saúde adolescente que envolveu 15 mil alunos de segundo grau entrevistados em 1994, 1996 e 2002. Eles constataram que baixa atratividade na escola se correlacionava a notas menores, mais problemas com professores e mais suspensões.

Outros estudos constataram que alunos mais baixos tendem a participar menos de clubes e esportes. Como resultado, eles podem sofrer perda de autoestima ou não desenvolver certas competências sociais que lhes seriam úteis posteriormente, teorizaram os economistas.

De acordo com o estudo, homens e mulheres vistos como pouco atraentes na escola tinham maior probabilidade de cometer -ou de serem apanhados cometendo- diversos crimes, como furtos e venda de drogas, se comparados às pessoas consideradas médias ou atraentes.

Price diz que a economia antropométrica se baseia no trabalho de historiadores da economia, entre os quais Robert Fogel (ganhador do Nobel), John Komlos e Richard Steckel, que se basearam em dados sobre peso e altura para avaliar a mudança nas condições sociais.

Porque os biólogos acreditam que 80% da altura é determinada pela genética e 20% pelas condições ambientais, altura -e ocasionalmente peso- podem derivar das condições de nutrição, saúde e exposição a doenças na infância. Com isso, uma estatura mais baixa pode significar criação mais pobre.

Ainda que beleza possa parecer estar na mesma categoria que peso e altura, ao menos superficialmente, os estudos que avaliam a vantagem econômica de ser bonito são na verdade bem diferentes, diz Christina Paxson, economista da Universidade de Princeton que estudou o elo entre estatura e status. Enquanto altura é sinal de saúde e condição social, o impacto da beleza é mais psicológico, diz. No caso, a questão é a forma pela qual a percepção alheia sobre a produtividade, competência e talento de um trabalhador é influenciada pela aparência deste.

Price sugeriu que pode haver implicações políticas nesses trabalhos, afirmando que “políticas de saúde pública que reduzam com sucesso a obesidade tornarão a sociedade não só mais saudável como mais segura”.

No momento, Mankiw é cético quanto a uso prático dessas teorias. “Os economistas adoram quantificar as coisas”, disse, “mas existem tantas interpretações possíveis que esse tipo de estudo, em lugar de decidir disputas, abre novas questões”.

Ele apontou para o fato de que seus alunos em Harvard pareciam especialmente fascinados por pesquisas que demonstram as vantagens econômicas quantificáveis da beleza. O benefício desses “fatos esquisitos”, disse ele, é que “nos forçam a pensar sobre o mundo de maneiras novas”.

Tradução: Paulo Migliacci ME
http://not.economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201005151000_NYT_78969969

Andrea Paula: essa matéria mostra que tipo de padrão de beleza é valorizado na sociedade ocidental capitalista e quem nao se encaixa é propenso a estar FODIDO!
o problema da pesquisa é que em nenhum momento os pesquisadores questionam essa idéia de beleza, totalmente naturalizada: reparou?
assim como no caso da geração N, onde uma pesquisa serve para generalizar para todo mundo. É isso que precisa ser transformado qdo pesquisamos… Do contrário, criam-se e valorizam-se informações e representações que estão muito muito próximas das formulações do século XIX que leva
ram a humanidade às barbáries do nazismo.

Por isso, é extremamente necessário que novos pesquisadores problematizem e (des)construam conceitos, contextualizando-os e criando novas informações e representações ligadas a diversidade humana e ao fato de que tudo pode ser relativizado, conforme o tipo de conceito que construímos: tudo é passível de crítica, nada é absoluto, e nenhuma pesquisa pode ser generalizada para toda a humanidade.
Lembrem-se: “iguais sim, especialmente no quanto somos diferentes!”
E do ditado popular: “quem ama o feio, bonito lhe parece!”

Anúncios

4 pensamentos sobre “Quanto mais feio, mais propenso ao crime, dizem economistas

  1. "Para ilustrar um argumento sobre o imposto de renda, Gregory Mankiw, economista da Universidade Harvard e antigo assessor econômico do presidente George W. Bush, propôs cobrar mais imposto às pessoas com altura superior a 1,83 metro, porque elas ganham em média US$ 5.225 a mais por ano do que alguém com 1,66 metro, em cálculo ponderado por sexo, altura e peso."É pra rir neh? HsuahsuahushauEssa materia me mostra principalmente o perigo de pesquisas realizadas por apenas uma categoria profissional, no caso economistas.Espero que os formados na UFABC tenham mais senso crítico e de desconstrução na sociedade!!!!

    Curtir

  2. A idéia de beleza um grande questionador e pesquisador (se é q não estou sendo pleonástica) trouxe:"O cientista não estuda a natureza porque isso é útil; ele a estuda porque se deleita com isso, e se deleita porque ela é bela. Se a natureza não fosse bela, não valeria a pena conhecê-la, e se a natureza não merecesse ser conhecida, a vida não valeria a pena ser vivida."Henri Poincaré

    Curtir

  3. Estamos vivendo numa cultura em que a aparência jovem é extremamente valorizada. Cada cultura constrói sua imagem de corpo e essas imagens se instituem como maneiras próprias de ver e de viver o corpo.Entendamos por Imagem Corporal a forma como o indivíduo se percebe e se sente em relação ao seu próprio corpo (Tavares, 2003). Essa imagemremete de algum modo, ao sentido das imagens corporais que circulam na comunidade e se constroem a partir de diversos relacionamentos que ali se estabelecem. Isto significa que em qualquer grupo sempre existe uma imagemsocial do corpo que é, portanto um símbolo que provoca sentimentos de identificação ou rejeição dos sujeitos em relação a determinadas imagens.Como uma criação sociocultural, no corpo se inscreve idéias, crenças, as imagens que se fazem dele. Se a imagem dominante, valorizada socialmente for de uma pessoa magra, emagrecer será o ideal de todos. Aqueles que não conseguem chegar a este padrão desejado sofrem muito. Esse processo tem um impacto negativo sobre a auto-imagem, principalmente das mulheres que se sentem obrigadas a terem um corpo magro, atrativo, em forma e jovem. E como diz Becker (1999), esta imagem corporal negativa pode determinar o aparecimento de baixa auto-estima e depressão, ou seja, sofrimento. Nossos corpos são vitimizados por políticas de saberes/poderes que nos identificam, classificam, recalcam, estigmatizam, enfim, formam e deformam as imagensque temos de nós mesmos e dos outros. Desta forma, o homem vive o seu corpo não a sua maneira e vontade. Experimenta a todo momento umaaprovação social de sua conduta. O corpo tem que aprender a comportar-se conforme regras e técnicas estabelecidas pela sociedade e a beleza corporal também é definida por modelo estético padronizado comercialmente. Sabemos que estes padrões de beleza são modificados a cada época. Durante longo tempo, mulher bonita tinha forma arredondada sendo fonte de inspiração paramuitos pintores renascentistas. Um choque muito grande para os padrões do final do século XX e início do século XXI.

    Curtir

  4. Me preocupa saber que pesquisas como esta estejam sendo realizadas. Estas pesquisas, que ao invés de procurar entender a complexidade humana, tentam dar respostas frágeis e absurdas aos problemas de desemprego e criminalidade. A que se serve esta "economia antropométrica"? A tentativa de criar padrões biológicos que determinam os comportamentos humanos, para dar embasamento científico a perseguição de certos grupos ou respostas as desgraças de nossa sociedade. O Darwinismo Social serviu para legitimar o racismo, xenofobia e outras formas de discriminação. Com o desenvolvimento de outras áreas da ciência muitas de suas teorias cairam por terra. Hoje adquirem uma nova roupagem, mas essa receitinha de bolo é conhecida, ao invés de procurar entender os problemas de verdade e mobilizar a sociedade para a crítica, é mais fácil escolher grupos fragilizados e colocá-los como bodes expiatórios. E qual o resultado disso?Surgem idéias como essa:"… Gregory Mankiw, economista da Universidade Harvard e antigo assessor econômico do presidente George W. Bush, propôs cobrar mais imposto às pessoas com altura superior a 1,83 metro, porque elas ganham em média US$ 5.225 a mais por ano do que alguém com 1,66 metro, em cálculo ponderado por sexo, altura e peso."

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s