Tumultos mostram frustração niilista de jovens urbanos

Início do conteúdo

London calling, The Clash (1979)

Arruaceiros de Londres mostram características semelhantes às dos manifestantes da primavera árabe

10 de agosto de 2011 | 0h 00

Peter Apps – O Estado de S.Paulo

Jovens sem oportunidades, irados com o sistema e organizando-se com rapidez pelas mídias sociais, os arruaceiros de Londres mostram algumas características semelhantes às dos manifestantes pró-democracia da primavera árabe. Mas, enquanto os protestos do Oriente Médio marcharam na esperança de uma mudança positiva, a violência na Grã-Bretanha tem sido quase niilista, com o foco em saques e na decepção da juventude pobre das áreas urbanas.

Por todo o mundo, a crise pode deixar toda uma geração com oportunidades muito aquém de suas aspirações, talvez até ao ponto em que a juventude abandone qualquer esperança de futuro. No mundo desenvolvido, a crise significa que os jovens enfrentam trabalhos iniciais mal remunerados em qualquer nível. Os benefícios e o auxílio-educação também estão sendo cortados.

No mundo em desenvolvimento, as oportunidades de emprego estão aumentando, mas as expectativas crescem mais depressa. Agora, a recessão torna esse desejo ainda mais frustrado. Nas economias que estão envelhecendo, os jovens ainda têm de financiar o aumento das contas sociais. Se o desencanto alimenta os distúrbios ou o crime, os incêndios de Londres sugerem que os protestos podem se tornar mais intensos nos próximos anos. “Os jovens não têm trabalho nem futuro. Pertencem a uma nova geração e não se importam com nada. Fique atento, a revolta está só começando”, disse o eletricista Adrian Anthony Burns.

O tipo de insurgência quase espontânea que começou em Tottenham não é novidade. Queixas parecidas incendiaram os subúrbios de Paris, em 2005, as favelas sul-africanas e outros protestos urbanos, da China à América Latina. Mas duas dinâmicas agem agora como aceleradores: as mídias sociais e a crise econômica que agrava as dificuldades já existentes.

No Norte da África, a gota d”água foi o aumento do preço dos alimentos e o ódio contra as autoridades após a imolação de um verdureiro tunisiano. Quando governos tentaram esmagar os protestos, apenas atiçaram as chamas. Na Grã-Bretanha, problemas sociais pré-existentes foram agravados por medidas de austeridade e, posteriormente, pela indignação causada por uma tentativa da polícia de disfarçar um assassinato. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

É JORNALISTA DA REUTERS

Fonte:

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,tumultos-mostram-frustracao-niilista-de-jovens-urbanos,756588,0.htm

E AS QUESTÕES DE IDENTITÁRIAS, CULTURAIS, DE GÊNERO E ÉTNICAS? Além das geracionais e das de classe, há mais complexidade. E os tempos próximos mostrarão mais e mais toda a incompetência dos governos, feitos pelas elites, e de suas políticas supostamente universais. 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s